Novo sistema de pagamentos desenvolvido pelo Banco Central (BC), o Pix deverá transformar o cotidiano dos pequenos negócios a partir hoje, quando oficialmente entra em vigor no país. Entre as micro, pequenas e médias empresas há a expectativa de que a plataforma reduza custos das transações realizadas junto a fornecedores, diminua o volume de taxas repassadas a operadoras de cartões e possibilite melhor gestão do fluxo de caixa.

Com funcionamento nos sete dias da semana, 24 horas por dia, o Pix deverá substituir gradativamente o DOC e a TED, hoje frequentemente usados pelos estabelecimentos para a realização de transferências aos fornecedores. Além disso, poderá servir como uma alternativa aos boletos e às transações realizadas nas máquinas de cartões.

Segundo o SEBRAE, sugere-se que o novo sistema de pagamentos ajudará pequenas empresas e prestadores de serviços a reduzir custos. No entanto, o tamanho dessa economia só deve ser conhecido quando a modalidade estiver em funcionamento.

O Banco Central já sinalizou que o envio de pagamentos é gratuito e ilimitado para todas as pessoas físicas, empresários individuais e microempreendedores individuais (MEIs). Por outro lado, quem adotar o Pix para fins comerciais poderá ser tarifado ao receber valores de uma transação. Esse uso é caracterizado pelo recebimento de mais de 30 transações em um mês ou pelo recebimento com QR Code dinâmico. Nestes casos, o custo poderá variar conforme cada banco. Algumas instituições, porém, anunciaram que isentarão as pessoas jurídicas das taxas.

Agora a RDA Soluções Corporativas traz para você um pouco mais sobre o PIX, confira:

O que é o Pix

O Pix é um novo sistema de pagamentos criado pelo Banco Central e que estará disponível para todas as pessoas físicas e jurídicas do país a partir de  hoje, segunda-feira (16). O Pix poderá ser utilizado para compras, pagamentos de contas ou transferências. Assim, poderá substituir DOC, TED, boletos e até o cartão de débito.

Como serão feitos os pagamentos

Ao realizar uma transferência bancária, a pessoa física ou jurídica poderá escolher realizar um Pix ao invés de DOC ou TED. Já em um estabelecimento comercial, no momento em que o consumidor pagar por um produto ou serviço, o vendedor irá gerar um QR Code. Este será escaneado pelo consumidor, que efetuará o pagamento com seu celular.

Chaves do Pix

Para utilizar o Pix, pessoas físicas e jurídicas têm de cadastrar a chamada “chave de endereçamento”, que estará atrelada à conta bancária de onde sairá ou entrará o dinheiro das transações. É possível cadastrar o CPF ou CNPJ, e-mail e telefone celular. As empresas podem cadastrar até 20 chaves para cada conta.

Custo das operações

Segundo o Banco Central, o envio de pagamentos será gratuito e ilimitado para pessoas físicas, empresários individuais e microempreendedores individuais (MEIs). Quem adotar o Pix para fins comerciais poderá ser tarifado no momento do recebimento. A finalidade comercial ocorre quando há o registro de mais de 30 transações de recebimento por mês ou quando há recebimento com QR Code dinâmico (usado somente uma vez para receber um Pix). Nestes casos, o custo poderá variar conforme cada banco, mas algumas instituições já anunciaram que isentarão as taxas das pessoas jurídicas.

 

Não tenha surpresas com custos, despesas e fluxo de caixa! Conte conosco para seu projeto prosperar.